sábado, 9 de dezembro de 2017

Primeiros CARBUS/BUSSCAR é fabricado no Brasil.

Depois de anos sem produzir ônibus no Brasil, a encarroçadora Carbus/Busscar já produziu dois (2) veículos no ano de 2017, desde o seu fechamento total no ano de 2012 ano que foi decretado sua falência.
Os ônibus que foram flagrados estão na fábrica localizada na cidade de Joinville - Santa Catarina; Os dois veículos estão montados nos chassis Mercedes-Benz e Scania.
A empresa que agora irá se chamar CARBUS terá produtos que poderá ser batizados com o mesmo nome dos modelos que já foram produzidos no passado como os conhecidíssimos JUMBUS e ELENGACE nas versões 340, 360, 380, 400 e o famoso e consagrado PANORÂMICO DD o Duble Deck, conhecido com o ônibus de dois andares.
Foto: Andrews Fuscolin.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Coluna do KBÇA: "A aliança política mais improvável em prol da mobilidade urbana."

O ano é 2016, época de eleições municipais nos mais de 5500 municípios brasileiros para os cargos de Prefeito e vereadores. Época de latente crise política pós impeachment de Dilma Roussef, onde partidos antes aliados, quase como "marido e mulher", se "divorciaram politicamente, e viviam verdadeira guerra pública declarada. 

Assume então o presidente Michel Temer envolto nas mais variadas denúncias, e este, escolhe como seu líder no congresso nacional (igualmente denunciado na justiça), o deputado federal pelo PSC-SE André Moura. Quem vivenciou na pele essa fase de transição, e de eleição municipal, sabe que não foram poucas as acusações de ambas as partes em sujeira e corrupção (direta ou indiretamente envolvidos), e que tais atritos, poderiam impactar diretamente na alocação de recursos federais referente a emendas parlamentares.

O ano agora, é 2017. Muita coisa parece ter mudado... as nuvens negras que pairavam politicamente sobre Andre Moura e Edvaldo Nogueira parece ter se dissipado (parece... mas política é um negócio meio complicado), e o que parecia ser quase uma terceira guerra mundial, virou quase uma amizade de infância.
Para chegar aonde queria, precisei fazer essa micro síntese do que houve de 1 ano para a atualidade... para o bem da coletividade, essa "aparação de arestas" entre os opositores políticos citados começou a render frutos positivos para a capital sergipana, como os 63 milhões de reais de emendas parlamentares aprovadas pela bancada federal ano passado (de um total de 124 milhões de reais) foram liberadas na conta da prefeitura na Caixa e já estão sendo investidos em obras importantes como a revitalização do Moema Freire.  (Foto da reunião: Nefy Dias)

Voltemos um pouco mais a fundo no tempo em 2011, quando a prefeitura na segunda gestão do então prefeito Edvaldo Nogueira tinha a disposição mais de 130 milhões de reais, para obras de mobilidade urbana. Iniciou-se um grande estudo para investimentos, obras, que foi reiniciado do zero pela administração do prefeito João Alves (e foi objeto de várias postagens aqui no site e fan page do BUSergipe), onde resultou num grandioso (além de utópico) plano de mobilidade urbana. Edvaldo ao ressumir, se propôs a fazer algo mais realista, entretanto, esses recursos praticamente já estavam em vias de retornar ao erário federal por falta de uso. 

Então, eis que Edvaldo vai atrás do mais improvável "aliado de última hora" de sua administração em busca desses 130 milhões: André Moura, o santo de suas causas urgentes. O deputado federal, então, intermediou uma reunião esta semana entre o ministro das cidades, Alexandre Baldy, e o prefeito da capital sergipana, para viabilizar tais recursos (além de mais dinheiro para obras nos 2 "hospitais" municipais). A expectativa é bastante positiva para a liberação desses recursos.

Na política, troca-se de opinião sobre o "adversário político" mais do que se troca de roupa certamente, mas ao menos, desta vez, parece que os resultados serão positivos para os sergipanos. Os recursos de mobilidade urbana terão as seguintes finalidades, assim que forem liberados:

Adequação das Avenidas Beira Mar, Hermes Fontes, Paulo VI (desde o Conjunto Augusto Franco até o Centro da cidade), e a Augusto Franco; construção de um centro de controle operacional para o monitoramento inteligente dessas vias com controle temporal dos semáforos; e a reforma do terminal de integração do Mercado.





Urban Matos
Editor da coluna.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Coluna do KBÇA: "O fim de uma utopia. Adeus BRT!"

Bom dia a todos, e peço desculpas pela demora em publicar a coluna. O tempo está meio corrido, mas estamos juntos, de novo e outra vez. Vamos ao que interessa. Essa semana, a Infonet publicou em seu site a intenção da prefeitura em sepultar de vez a famigerada ideia faraônica do BRT (Bus Rapid Transit), proposta pelo então prefeito João Alves em seu plano de mobilidade. 

O projeto do BRT, que exige um volume absurdo de recursos para ser efetivado em toda a sua plenitude, obras que pelo histórico de "politiquinhas" da nossa pátria amada Brasil, levariam décadas, além de toda uma mudança na gestão e administração do sistema de transporte como conhecemos. Um "empurrão" dado pela justiça essa semana, serviu de gatilho para adiantar as intenções da administração municipal em sepultar a antiga ideia de revolucionar os transportes. A justiça, em decisão liminar, obrigou a prefeitura a acabar com as faixas exclusivas de ônibus, já que não havia nenhum BRT rodando por ai (Sim, os articulados da Atalaia não são ônibus adequados para esse sistema), e em muitos corredores, como no trecho da avenida beira mar entre o terminal zona sul e a ponte do riomar, a demora de qualquer linha que circula diuturnamente por ali é abismal. 

Então, a solução mais realista possível, e que atendesse num prazo muito menor a sua execução (atentando ao fato que na atual crise financeira, sua viabilidade é excelente), a prefeitura decidiu que irá estudar (Sim... estudos, e mais estudos...) como fará para colocar em prática o BRS (Bus Rapid Service), que nada mais é que ônibus convencionais (articulados ou não) que operam em faixas exclusivas ou não, carecendo de muito menos obras que o BRT, haja vista a necessidade de se construir novas pistas, que poderiam causar muitos prejuízos como na área ambiental (o projeto do BRT previa, por exemplo, a derrubada de todas as árvores da av. Adélia Franco para construir uma nova via exclusiva de brt), social (visto a demora para pagar as indenizações decorrentes das futuras desapropriações) entre outros obstáculos.

A prefeitura recuperou recursos quase perdidos, que estavam na caixa econômica na casa de 130 milhões de reais, depositados na conta da prefeitura desde 2012, além de ter conseguido através de emenda da bancada federal mais dinheiro para construir uma ponte que ligue a coroa do meio à avenida Tancredo Neves, e as obras do governo do estado existentes como a ligação da gasoduto à avenida Rio de Janeiro e a duplicação da Euclides Figueiredo no porto D'antas. Além disso, a administração municipal iniciou o recapeamento de grandes avenidas como a Alexandre Alcino e a avenida que permeia o Shopping Jardins.

Face a esta realidade, basta apenas que haja vontade política séria para fazer acontecer o futuro BRS. Vamos viver de realidade senhores gestores, o futuro é agora. Chega de promessas mirabolantes e impossíveis de serem realizadas. O futuro do crescimento das cidades e da economia, passa por uma boa mobilidade e um transporte público de qualidade.


Urban Matos
EDITOR DA COLUNA

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

VIAÇÃO GONTIJO, COMEÇA A POR FIM NA PINTURA DA CIA SÃO GERALDO DE VIAÇÃO.


A Viação Gontijo dona da antiga Cia São Geraldo de Viação, decidiu por fim a uma das mais tradicionais e conhecida pintura de ônibus do Brasil.

Em 2015 ano que ocorreu o encerramento das operações da Cia São Geraldo por motivo de reestruturação e redução de custos operacionais.

E só agora em 2017 a empresa Gontijo decidiu por fim na pintura da antiga empresa. Os ônibus da antiga São Geraldo com ano de fabricação acima de 2007 passará a adotar a pintura atual da Viação Gontijo, a mudança já está ocorrendo e será terá foco principal nos ônibus do modelo Marcopolo Paradiso 1200 G6.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

LICITAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO PARA 2019 APENAS. Você acredita que ela vai sair?


Hoje, o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira, se reuniu com servidores da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito, onde foi debatido com os presentes no recinto algumas questões pertinentes a administração da capital sergipana, como as dívidas herdadas da administração anterior de João Alves (e porque não dizer... do próprio Edvaldo Nogueira, que foi prefeito durante 6 anos e 9 meses?) que beiram a cifra de 840 milhões de reais, a curto, médio e longo prazo.


Além do mais, foi apresentado aos servidores da autarquia o planejamento estratégico que a prefeitura pretende desenvolver na cidade pelos próximos anos, cuja elaboração contou com a participação de diversos técnicos de carreira, que visam trazer mais qualidade de vida para as pessoas. Será que isso é uma coisa simples? 

De acordo com a prefeitura de Aracaju, são 4 os projetos prioritários para a problemática do transporte público e mobilidade urbana:

Nesta primeira etapa do Planejamento Estratégico, a SMTT é responsável por quatro projetos prioritários: licitação do transporte público; integração temporal do transporte público; execução de um plano de mobilidade urbana inteligente; e intensificação das ações de educação para o trânsito.

Sobre a licitação do serviço de transporte público, o superintendente da SMTT, Aristóteles Fernandes, explicou que a intenção da gestão é lançar o edital até o ano de 2019. "Antes disso, nós precisamos que o consórcio da Grande Aracaju exista não só no papel, mas na prática. O prefeito Edvaldo Nogueira já está em contato com os gestores dos outros três municípios (Barra dos Coqueiros, Nossa Senhora do Socorro e São Cristóvão), e as conversas estão avançadas", contou.

Dois dos quatro projetos prioritários dialogam diretamente com o conceito de cidade inteligente: a execução do Plano de Mobilidade Urbana e a integração temporal do transporte público. "A relação do cidadão com o serviço vai mudar para melhor. Nosso objetivo é fazer com que o cidadão tenha acesso aos horários de paradas de ônibus em tempo real e que possa embarcar e desembarcar dos veículos em um determinado espaço de tempo pagando apenas uma passagem e sem precisar do terminal para isso. São apenas alguns exemplos do que pretendemos mudar neste contexto", detalhou o supetintendente.

O Plano de Mobilidade Urbana contempla ainda a construção de quatro corredores de ônibus que devem dar maior fluidez ao transporte de massa em Aracaju, além da ampliação e modernização do Terminal de Integração do Mercado. O investimento será de R$ 130 milhões que serão viabilizados através de um programa de financiamento do Governo Federal. Estes recursos foram garantidos nos últimos meses de mandato do prefeito Edvaldo Nogueira, em 2012, mas não utilizados pela gestão seguinte. "Mudaram muito o projeto, aumentaram os custos e ele foi inviabilizado. Mas estamos trabalhando firme para recuperar essa verba para melhorar a mobilidade urbana da nossa cidade", explicou Aristóteles. 

Agora, convenhamos... 2019 não tá um pouco longe não? O problema é histórico, e a sociedade vê o senhor prefeito fazer muito pouco pelo problema de transporte e mobilidade. Estamos cada mais próximos da beira do caos, do que de uma luz no fim do túnel.

Imagens: Janaína Santos/ ASCOM PMA


terça-feira, 7 de novembro de 2017

SMTT Aracaju disponibilizou a nós os horários da linha 076 BARRA DOS COQUEIROS / MERCADO.

Segue a foto, os horários são divididos em 3 partes.
Nenhum texto alternativo automático disponível.
Aos sábados o primeiro horário é as 5 horas também e o ultimo horário as 20h15 no terminal do mercado.

Já nos domingos e feriados a linha começa as 6 horas no terminal da Barra e faz sua ultima viagem as 19h30 saindo do Terminal do Mercado.

Dias uteis o primeiro horário é as 5 horas saindo da barra e a ultima viagem é as 22h45 saindo do terminal do mercado.


A imagem pode conter: céu e atividades ao ar livre

sábado, 4 de novembro de 2017

Coluna do KBÇA: "Deus escreve certo..... por linhas tortas?"

Boa tarde aos amigos e amigas, que apesar do pleno e merecido descanso de sábado, estão aqui pra dedicar um pouco de seus valorosos minutos a ler a coluna de seu amigo que vos escreve. Gostaria de levá-los a uma singela reflexão, de uma percepção que não é apenas minha, mas de muita gente... amigos que partilham do hobby, profissionais rodoviários, e usuários em si no dia a dia.

Postamos há alguns meses uma entrevista do presidente do Setransp-AJU, onde uma frase específica me chamou a atenção, em que comentou que a demanda nos últimos 5 anos caiu cerca de 20%. Sabemos que isso é uma verdade bem relativa, e já cansamos de apontar as inúmeras causas que despontam para essa problemática, como frota envelhecida; redução de frota, horários e tamanho de veículos; valor abusivo da tarifa; surgimentos de outras formas de se transportar, como os aplicativos de carona pagas como o UBER, 99 e Cabify; e a cada vez crescente aquisição de veículos particulares pela população como um todo.

Sabemos que o transporte público operado por empresas privadas, é um modelo de negócio como qualquer, e precisa de retorno financeiro para que permaneça viável a sua continuidade, mas há também o outro: o lado do usuário que mantem o sistema. Este é o que mais tem sido penalizado nos últimos tempos, com uma carga ainda maior de impostos, que resulta em preços absurdos nos mais variados itens básicos de consumo, visto que o Brasil (como comentamos em uma de nossas postagens anteriores) é um país muito dependente do transporte rodoviário. 

Além de um aumento massacrante de impostos, destacamos um caso em especial que é a razão de ser da nossa postagem da nossa coluna de hoje: o aumento dos combustíveis. A Petrobrás, como é de conhecimento de todos, desde o mês de junho, tem praticados reajustes praticamente diários como forma de se adaptar a competitividade internacional de preços do barril de petróleo e derivados. Entretanto um desses reajustes foi ocasionado pelo aumento do PIS/Confins pelo governo federal, que praticamente dobrou seu valor em pleno período de estudos para o reajuste da tarifa da grande Aracaju. Isso foi extremamente impactante para mais um aumento criminoso do valor da passagem de ônibus, para os atuais R$ 3,50, e o nosso temor é de que com a demanda cada vez mais em queda, em breve, o sistema poderia até mesmo colapsar pela falta de clientes, e isso parecia real, em pleno período de altíssimo índice de desemprego, mas não.

O sistema de transporte de Aracaju está aos poucos, voltando a recuperar passageiros que haviam deixado de usar o ônibus de maneira até surpreendente, e passamos refletir sobre as causas dessa situação. Os noticiários nacionais cada vez mais exaltam a saída do país da crise financeira, vislumbrando para 2018 um ano econômico bem interessante para a nação, e claramente (mas muito lentamente), Sergipe também começa a dar sinais de que a era do desenvolvimento e do pleno emprego está retornando, e incrementando a gama de usuários que na hora de se deslocar, optam pelo bom e velho "busão". Outro fator que tem forçado a migração de pessoas para este modal é o altíssimo valor da gasolina brasileira. Pagamos atualmente a bagatela de 4 reais pelo litro do combustível mais usado no dia a dia, e não tem cristão que aguente todo santo dia andar de carro na cidade, pegar enormes engarrafamentos em nossas vias e sustentar os gulosíssimos interesses de arrecadação da estatal petrolífera nacional. Ou seja, é pelo meio cruel (mexendo no bolso do trabalhador), é que o meio mais democrático de se fazer valer uma boa mobilidade urbana está voltando a ser a principal razão de fazer valer o princípio constitucional de ir e vir.


Época de crise, é a oportunidade dos grandes empresários investirem. Falamos ontem em nosso site sobre a revolução que está chegando ao setor de transporte rodoviário, mas se pararmos pra pensar bem, no sistema de transporte urbano, não há revolução nenhuma em curso (exceto a bilhetagem eletrônica que surgiu em nosso país com mais cruel e propósito interesse de acabar com custos, como o que existe hoje para o pagamento de cobradores, aonde cidades como São Paulo já pensam em acabar com esta profissão via projeto de lei).

Os empresários da nossa capital precisam começar a pensar em tratar o usuário como cliente, e não apenas como "meros pagadores de tarifa que fazem a catraca girar". Cliente é a razão de ser qualquer negócio, e se você não investe, ele vai em busca de coisa melhor. Se o dono da empresa de ônibus não renova frota (como acontece aqui há um bom tempo), não oferece frota em quantidade adequada, novas opções de linhas e nem serviços diferenciados (como os que a extinta viação São Pedro fazia com os alternativos), o usuário "chuta o pau da barraca" e some de novo. 

Que essa "nova" fase econômica seja o viés de uma transformação, e que o usuário que está voltando para o sistema, venha para ficar. Que a prefeitura enxergue essa onda migratória para o ônibus, e ajude o sistema a se desenvolver fazendo sua parte, como a reforma de terminais de integração, ponto de ônibus modernos e que faça a famigerada e lendária licitação do sistema. 

Viva o ônibus!

Obrigado pela sua atenção e interaja conosco. Sugira um tema na nossa page para tratarmos, comente, curta e compartilhe.


Urban Matos
Editor da coluna

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

A revolução também está chegando ao setor de transporte rodoviário

O Brasil historicamente, sempre foi um país que dependeu muito de suas estradas para atender várias demandas, entre as quais, estão o transporte de cargas, e o de passageiros. Muitas empresas ativas que operam no setor de transportes intermunicipal e interestadual prestam valorosos serviços a seus clientes a décadas, e muitos investimentos foram feitos no setor de modo a agregar mais usuários e, consequentemente, fidelizá-los. 

Vultuosos investimentos foram feitos pelos empresários para grandes renovações de frota pelo país - como por exemplo, a que a Viação Águia Dourada fez e o BUSergipe destacou esta semana em nosso site, como você pode conferir - além da diversificação de serviços como transporte de cargas e fretamento turístico. Entretanto, essa mesma tradicionalidade dos serviços prestados trouxe muito consigo historicamente a mesma forma para a aquisição de passagens, onde os usuários quando desejam viajar, precisam se deslocar até o guichê das empresas para adquirir seu bilhete de embarque.

Só no último ano, segundo o portal EXAME, do grupo abril, destacou que 93 milhões de passageiros se deslocaram pelas rodoviárias brasileiras em 2016, e de olho nessa enorme gama de clientes dispostos a pegar as estradas usando o ônibus, as StartUps do setor (que existem desde 2013), passaram a desenvolver aplicativos que visavam concentrar em seus sítios virtuais a venda de passagens on-line de diversas empresas, mas que inicialmente não eram bem vistas pelos empresários do setor.

Mas, o que são essas StartUps que surgem com força em diversos setores da economia brasileira? uma startup é um grupo de pessoas à procura de um modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza. (conceito do portal exame

Atualmente, as 2 maiores StartUps do setor são a ClickBUS e Guichê Virtual, e hoje, elas vendem passagens de diversos grupos rodoviários brasileiros, e facilitam muito a vida do usuário. As inovações vêm para ficar, e como tal, trazem consigo melhorias importantes para o setor e consequentemente, maior competitividade com outros modais de transporte, entre os quais, o setor aéreo.


quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Sem decretação de ponto facultativo, oferta de ônibus extras é pequena. [VÍDEO]

Com a não-decretação de ponto facultativo nas esferas estadual e municipais de Sergipe, a demanda nas rodoviárias está sendo relativamente pequena. Face a isto, a quantidade de ônibus extras disponibilizadas para quem for embarcar na rodoviária nova será de apenas 10 veículos.

Vale ressaltar que neste mesmo feriado em anos anteriores, a demanda já chegou a atingir impressionantes 13 mil passageiros.

Que fase.

Com informações e reportagem do portal Infonet.

VÍDEO

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

NOVA LINHA METROPOLITANA COMEÇA A CIRCULAR NA BARRA DOS COQUEIROS

Desde as primeiras horas de hoje (Quarta feira, 01/11), os moradores e usuários do Sistema Integrado Metropolitano SIT/SIM do município de Barra dos Coqueiros passaram a contar com uma nova linha, que constituiu o ramal 076 - Barra dos Coqueiros /  Terminal do Mercado.  




Com itinerário inovador dentro da área urbana do município mencionado, a 076 passa a atender os Bairro Olimar e Marivan (que se configuram como dois dos maiores núcleos populacionais da cidade), Além do loteamento Beira Rio e avenidas importantes como a Oliveira Martins e Moisés Gomes Pereira (Rua da Frente da Barra) até chegar ao Terminal da Barra, retornando para o Terminal do mercado pela Avenida Oceânica. Conforme itinerário apresentado a seguir:

SENTIDO TERMINAL DA BARRA SENTIDO TERMINAL DO MERCADO
Terminal do Mercado Terminal da Barra dos Coqueiros
Ponte Construtor João Alves Avenida oceânica
Rodovia SE - 100 Rodovia SE - 100
Rua São Mateus (Olimar) Ponte Construtor João Alves
Avenida Oliveira Martins (Olimar) Avenida João Rodrigues
Avenida Moisés Gomes Pereira (Centro) Terminal do Mercado
Praça Santa Luzia (Centro)
Avenida Oceânica (Centro)
Praça do Esporte (Centro)
Terminal de Barra dos Coqueiros.

Contudo precisamos evidenciar alguns pontos. 
NEGATIVOS:
1 - A Linha atua apenas com um veículo;
2- Não houve aumento de Frota no Município, uma vez que o veículo escolado da 076 foi removido da 072. O que propicia a falsa sensação de qualidade pela quantidade de linhas atuando. 
3 - Provocou redução da 072 de 5 para 4 veículos. Neste caso, o usuário barra coqueirense tem  menos horários para o terminal do Centro de Aracaju, aumentando o tempo de espera. 
POSITIVOS:
1 - Propiciou a ampliação dos serviços  de transporte metropolitano na Barra dos Coqueiros, a partir das novas vias e bairros atendidos. 
2 - Melhorou a mobilidade urbana dos moradores do Olimar e adjacências. 
3 - Circulação ocorrera de Domingo a Domingo.
4 - Minimizou as longas caminhadas dos moradores para os pontos de ônibus das avenidas e rodovias tradicionais. 

Apesar da 076 minimizar a problemática da distribuição do transporte no espaço urbano da cidade mencionada. Esse é um problema ainda presente e que está muito distante de ser resolvido. Moradores dos Loteamentos Riomar, Recanto das Andorinhas, Bairro Baixo e Espaço Tropical ainda são obrigados a percorrer longas distancias até as avenidas principais para acessar o transporte metropolitano. Situação que expõe o usuário á vários riscos. Neste sentido, o trabalho de inclusão de novas vias ao SIT/SIM tem que continuar. 

A equipe Busólogos Unidos de Sergipe está disponível para sugestões e duvidas. 


Viação Águia Branca faz apresentação de sua nova frota em Aracaju.


Durante todo o dia de ontem 31/10, a empresa Viação Águia Branca realizou na capital Sergipana uma ação onde visou a apresentação de sua nova frota de ônibus que irá atuar nas linhas que a empresa possui saindo da capital Sergipana para outros estados da região nordeste.

Os novos ônibus da empresa são do modelo Paradiso Geração 7 da encarrocadora Marcopolo e conta com alguns itens como: Tomadas USB, Apoio para as pernas, Wi-Fi, Ar condicionado e um maior bagageiro.

Além dos novos ônibus da empresa ainda tivemos a apresentação do Ônibus de cor Rosa referente a campanha mundial que acontece anualmente no mês de outubro onde viza concientizar a população para prevenção do câncer de mama.

A ação aconteceu durante todo o dia 31, onde teve uma grande carreata pelas ruas e avenidas de Aracaju durante toda a manhã; e no final da tarde a empresa, colocou um dos ônibus em exposição que aconteceu em um dos maiores Shopping da cidade de 16h às 20h.
Aguia Branca

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Investimentos com recursos do FGTS para o setor de renovação de frota será de 28 bilhões de reais até 2021


Apesar da crise política, que afunda moralmente mais e mais o nosso Brasil, arrastando-o para o fundo do poço, existe uma luz no fim do túnel. Pelo menos, em termos de saída da crise econômica. A verba disponível para financiamento de setores importantes como saúde, educação, saneamento básico, mobilidade urbana e outros setores importantes, com recursos oriundos do FGTS (Fundo de garantia do tempo de serviço) chega a impressionante cifra de R$ 330 bilhões.


Desse valor previsto, a partir de 2018 até o ano de 2021, serão disponibilizados 7 bilhões de reais anuais para o programa "Pró-Transporte", cujos recursos estarão disponíveis para o setor público concomitante ao privado para investimentos em mobilidade urbana e renovação de frota.

É uma iniciativa muito importante para um setor combalido, que anualmente reduz fortemente os investimentos no setor em função da crise econômica, e dos "desestímulos fiscais" (como fim de isenção de impostos, juntamente com aumentos), queda na demanda (faremos uma publicação par explicar esta situação atual na grande Aracaju) e que vê nesta iniciativa (ainda tímida do governo federal) uma forma de alavancar investimentos no setor.

Com informações do colunista de transportes Adamo Bazani.

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

COLUNA DO KBÇA: "TRANSPORTE METROPOLITANO ou INTERMUNICIPAL? O que se deve fazer?"

Boa noite a todos. 


Sim, a partir de agora, nossa coluna estará disponível em nosso sítio eletrônico recheado de informações, debates e o que mais adoramos fazer... a crítica ácida, incisiva, buscando sempre a melhoria daquilo que mais gostamos do nosso hobby: o ÔNIBUS.


O ano de 2017 está quase em seu apogeu, clímax (ou "fim de temporada" para os amantes de séries), e diante de inúmeras possibilidades de nós cidadãos de se deslocarem, o poder público - como agente regulador do sistema de transporte - parece ter parado no tempo.

Vivemos tempos de Uber, 99pop e outros apps que cada vez mais encurtam distâncias. Além disso, muitas obras estruturantes aproximaram ainda mais cidades populosas como Itaporanga D'ajuda (que é ligada diretamente à Aracaju pela ponte Joel Silveira), Itabaiana/ Maruim/ Laranjeiras que dispõem de nova entrada para a capital sergipana através da rodovia Lauro Porto (que é ligada diretamente a avenida Santa Gleide no trecho do conjunto Bugio e São Carlos), então a pergunta que não quer calar: Quando cidades como Maruim, Laranjeiras e Itaporanga serão devidamente integradas ao sistema de ônibus da Grande Aracaju?



Atualmente, o transporte dessas cidades para a capital é feita por cooperativas de micro-ônibus e táxis que apenas têm permissão de trazer passageiros. O problema é que a tarifa para os usuários cobrada atualmente é cara para quem usa diariamente o transporte. A AGRESE, órgão criado pelo governo do estado para gerir esse setor, praticamente não mostrou nenhum serviço, deixando "as coisas acontecerem ao acaso do destino", e as administrações municipais tampouco dão a devida importância a questão.

Por serem cidades próximas com grande demanda para a capital, já se deveria pensar futuramente numa licitação conjunta da grande Aracaju com essas cidades visando mais comodidade para os usuários, então o que falta para isso acontecer? Vontade política? SIM. Os tempos são outros, vivemos em plena era digital. Sergipe Del'Rey precisa sair de seu marasmo histórico.

Sergipe é um estado pequeno, e como tal, deveria ser modelo de gestão dotada de iniciativas inovadoras, mas desde sempre (ouso assim dizer), dorme "no ponto" esperando que divindades resolvam todos os problemas do estado com mágica. NÃO!!! Assim, só chegaremos a um lugar... o fundo do poço.

Ou o poder público começa a tratar mobilidade urbana com a importância devida, ou voltaremos aos tempos de escambo no transporte... com aquele jeitinho brasileiro que só piora o que já ruim! Ônibus de qualidade como solução de mobilidade urbana, e como política de garantia de direitos fundamentais de ir e vir é a saída para aproximar lugares e pessoas. Pensem nisso senhores gestores!

Se você gostou da coluna, aguarde mais postagens. Nos envie alguma sugestão de pauta, e venha debater conosco. Juntos somos mais. Obrigado pela atenção, e até a próxima!

Urban Matos
EDITOR DA COLUNA.


terça-feira, 17 de outubro de 2017

Viaje Guanabara​ Inicia novas linhas na região nordeste.


Teve início no ultimo dia 09/10 às operações da empresa Expresso Guanabara nas linhas Fortaleza (CE) x Salvador (BA) e Recife (PE) x Salvador (BA)

A Empresa Expresso Guanabara com sede na cidade de Fortaleza-CE, iniciou as operações nas novas linhas que antes pertenciam a Empresa Nossa Senhora da Penha, as linhas Fortaleza-CE x Salvador-BA e Recife-PE x Salvador-BA, passou a ser atendida pela empresa Expresso Guanabara.

Além dessas duas (2) linhas, outras ligando o nordeste ao sul e sudeste do país entrará em operação pela Expresso Guanabara ainda esse mês, todas elas eram pertencentes a empresa Nossa Senhora da Penha e já está regularizadas e autorizadas pela Agência Nacional de Transporte Terrestre ( ANTT ).

Com isso a Empresa Nossa Senhora da Penha conhecida nacionalmente encerra suas atividades na região nordeste onde era detentora de várias linhas na região; a primeira linha que a Penha deixou a operação foi a linha que ligava as cidades de Aracaju-SE ao Rio de Janeiro-RJ deixando a operação sob responsabilidade da Viação Itapemirim, agora a empresa encerra em definitivo sua operações nas demais linhas da região nordeste.


Foto cedida por: Felipe Silva e Flávio Eduardo

domingo, 15 de outubro de 2017

VIAÇÃO MODELO, HALLEY E CAPITAL SÃO CONDENADAS POR DIVERSAS IRREGULARIDADES TRABALHISTAS

O Ministério Público do Trabalho em Sergipe (MPT-SE) obteve na Justiça do Trabalho a condenação, em segunda instância, das empresas Auto Viação Modelo S/A, Viação Halley LTDA. e Capital Transportes Urbanos LTDA. por desrespeitar a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) em relação à jornada dos empregados.
Com a condenação em primeira instância, as empresas recorreram da decisão, entretanto a 5ª Vara do Trabalho de Aracaju julgou procedente os pedidos do MPT-SE. O valor do dano moral coletivo foi estipulado em R$ 300 mil.
Entre as obrigações, as empresas deverão registrar (por meio mecânico, manual ou sistema eletrônico) os horários de entrada, saída e período de repouso efetivamente praticados pelos seus empregados, deixando de exigir aos empregados o preenchimento ou assinatura de documentos não condizentes com a realidade. Elas deverão também respeitar os limites máximos legais, diário e semanal, da duração do trabalho de oito horas diárias e 44 horas semanais, facultada a compensação de horários e a redução da jornada mediante acordo ou convenção coletiva do trabalho.
Nos casos de prorrogação de jornada permitidos em lei, nunca superior a 2 horas diárias, efetuar o pagamento das horas extraordinárias, com acréscimo do adicional de, no mínimo, 50% sobre o valor da hora normal, observando, ainda, as projeções decorrentes do labor extraordinário quando da quitação de férias com 1/3, décimo terceiro salário, FGTS, aviso prévio, repouso semanal remunerado e outras parcelas pertinentes
As empresas deverão observar os intervalos intrajornada, no mínimo, de 1 hora, não podendo exceder de 2 horas, os intervalos interjornada de, no mínimo, 11 horas consecutivas de descanso e o descanso semanal por 24 horas consecutivas, coincidindo, preferencialmente, com os domingos.

Fonte: MPT-SE